Rochefort 8: História da Abadia Trapista

O Monastério Cisterciense Saint Remy se encontra a poucos quilômetros de uma pequena cidade chamada Rochefort na província de Namur na Bélgica.

A abadia foi fundada por um grupo de freiras em 1229.

Elas comandaram até 1464, quando foram mandadas para outra região e no lugar delas entraram monges cistercienses da comunidade francesa de Givet.

Antigos documentos mostram que a abadia já possuía uma fábrica de cerveja no seu interior desde 1595 com a seu próprio cultivo de lúpulo e cevada.

A atual fábrica foi construída em 1899, a produção teve um grande salto de qualidade quando na década de 50 os mestres-cervejeiros da Abadia de Scormount (Chimay) e o famoso professor De Clerk da Universidade de Leuven conseguiram ensinar e formar novos monges cervejeiros na Abadia de Rochefort.

Rochefort 8 - cerveja trapista

Degustando a Rochefort 8

No copo se apresenta com uma esplêndida cor marrom com reflexos rubi e levemente turva.

Espuma perfeita, de cor bege claro, muito fina e compacta, cremosa com longa persistência.

No nariz além do clássico nuance de pera (característico das cervejas de Rochefort), sentimos toques e uva passa, banana madura, ameixa, frutas vermelhas secas e notas licorosas lembrando um fino Cherry.

No paladar é surpreendente, principalmente no modo em que o álcool de 9,2%  é escondido, com um corpo médio-alto e com uma efervescência muito vivaz.

Licorosa e muito macia com notas de uva passa, ameixa e damascos, caramelo, açúcar queimado e frutas secas (amêndoas e nozes).

O dulçor no gosto é muito bem equilibrado por uma bela secura final que consegue limpar o paladar, criando aquele instante necessário para poder perceber os retrogostos quentes e macios de frutas cristalizadas, onde finalmente conseguimos sentir a discreta presença do álcool.

Irmã menor da Rochefort 10, mas que consegue compartilhar vários elementos, sendo sem dúvida mais fácil de beber e menos alcoólica.

Harmonizando com a Rochefort 8

Com um corpo menos carregado, menos intensa e complexa do que a Rochefort 10, tem capacidade de envelhecimento levemente menor, consegue ser uma ótima cerveja para jantar ou até mesmo after-dinner.

Maravilhosa cerveja para harmonizações intensas.

Tentem harmoniza-la por exemplo com damascos secos cobertos por chocolate amargo.

O chocolate e a fruta seca se unem em completa harmonia, casando perfeitamente com a maciez do teor alcoólico da Rochefort 8, completando-se e espelhando-se um no outro.

Rochefort 8

  • Estilo: Belgian Dubbel
  • País: Bélgica
  • Temperatura de serviço: 8-10°C

 

Expedição Cervejeira Bélgica 2018